Um dos principais recursos necessários a qualquer empresa é a informação. A partir dela, é possível extrair insights para tomar decisões mais assertivas e estratégicas. Entretanto, apenas 32% dos C-Levels usam dados para tomar decisões em suas empresas, segundo o presidente da Qlik, Marcelo Rezende. Ainda é comum encontrar empresas que coletam e guardam as informações apenas como referência, sem realmente utilizar esses dados.

Desse modo, a tendência é que a cultura Data-Driven seja cada vez mais utilizada a fim de que a organização possa agir de forma precisa e com a segurança necessária para o sucesso do negócio. Para isso, é preciso implementar ferramentas que combinam automação e inteligência artificial para conseguir resultados mais rápidos e efetivos.

O que é o conceito de Data-Driven?

Data-Driven é uma cultura organizacional voltada para dados, colocando-os no centro de todo o planejamento estratégico e das tomadas de decisões. Essas informações são cada vez mais versáteis, podendo ser coletadas de diferentes fontes e com variados propósitos, como gerar mais vendas, engajamento, leads e melhores resultados. Além disso, é possível alterar previsões, confirmar estratégias e identificar problemas antecipadamente.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), as organizações que guiam suas ações com base em dados possuem um aumento de produtividade entre 5 e 6%. Um exemplo de ação baseada na cultura Data-Driven é a Black Friday, em que as empresas analisam os dados dos clientes para realizar uma ação de marketing direcionada

Como implementar a cultura Data-Driven?

Para que essa cultura represente uma mudança positiva, é preciso trabalhar alguns pontos dentro de uma empresa:

  1. Democratização dos dados

É essencial democratizar os dados a todos os colaboradores para que as decisões sejam tomadas com base em dados concretos. Como gestor, é importante dar autonomia às equipes para economizar tempo e desburocratizar processos.

  1. Comunicação interna

Para garantir que os colaboradores estejam alinhados e preparados, é necessário treiná-los para atuar de acordo com a nova cultura corporativa. É primordial deixar claro quais são os dados que norteiam as decisões da companhia, gerando senso de urgência e prioridade.

  1. Aumentar a capacidade analítica

Com o aumento da automação, é preciso aumentar a capacidade de análise dos dados da organização. Além de equipes, as plataformas e as ferramentas são auxiliares indispensáveis para a gestão da cultura Data-Driven.

Um exemplo é o uso de Inteligência Artificial na medicina, em que os médicos continuam sendo os gestores do tratamento, mas a análise de dados dos pacientes é feita de forma automatizada.

A tomada de decisão deve ser um processo baseado em informações. Somente a capacidade de adaptabilidade às tendências fará com que empresas e profissionais gerem oportunidades a partir de seus diferenciais.

Impulsione a transformação digital através de Big data e Inteligência Artificial usando o Semantix OpenGalaxy

Veja também: DataOps: o que é e como implementar em sua organização